É possivelmente o melhor romance de Dickens mas não a sua melhor-obra, disse alguém…
Cansei-me de esperar pela tão longamente anunciada edição da Relógio d’Água e comprei a da E-Primatur, editora que funciona em regime de crowdfunding, ou seja, as obras propostas pelos editores, leitores ou padrinhos do projecto são apresentadas e avaliadas na página da editora, e depois publicadas com o apoio dos leitores através de um mecanismo de financiamento colectivo.
Nesta obra tece-se num novelo a vida de várias e diversas personagens, quer da classe alta como das classes mais baixas de Londres, um pouco à semelhança do próprio processo cujo penoso arrastar se narra nestas páginas e que desgraça a vida de personagens como Richard, que se deixam enlear na miragem de uma fortuna fácil que nunca chegará, deixando-se além disso arruinar no pleito jurídico. O enredo é complexo, dada a prolixidade das personagens, mas o autor não deixa que o leitor se perca ou boceje pois, como se sabe, dominava a pena com mestria, ou não fosse ainda hoje um dos autores mais conhecidos mundialmente e cujas personagens lhe sobrevivem, nos mais variados campos artísticos…
A par da ironia e de alguns apontamentos mais divertidos deixados pelo narrador, abordando directamente o leitor, existe ainda uma propensão para o sombrio ou tétrico, a condizer com o título, como quando se fala do mau agoiro dos passos ouvidos no Passeio do Fantasma.
A história de uma mulher altiva e de orgulho frio, Lady Dedlock, cujo desvendar de um segredo revela a sua verdadeira natureza, com fins trágicos, ao mesmo tempo que a doce Esther desabrocha de uma condição humilde para a de uma mulher de destaque social e de uma bondade que ilumina todos em seu redor.
Terminada a obra, sugere-se ainda o visionamento da série da BBC, lançada em 2005 e constituída por 15 episódios, e com Gillian Anderson (Dana Scully dos Ficheiros Secretos) num dos principais papéis.

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Sou doutorado em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», defendida em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Jornal Postal do Algarve, e tenho publicados vários artigos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público cerca de 10 anos e ministrei formações. De Agosto de 2014 a Setembro de 2017, fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas e uma pós-graduação em Ensino Especial. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam. Resido actualmente na cidade da Beira, Moçambique, onde coordeno um Centro Cultural Português, do Camões, dois Centros de Língua Portuguesa, nas Universidades da Beira e de Quelimane. Sou docente na Universidade Pedagógica da Beira, onde leciono Didáctica do Português a futuros professores.