Este é o último romance da autora publicado agora em Setembro, penso que já está à venda, pois recebi-o um pouco antes do lançamento.

É a segunda obra – exceptuando alguns contos de E se eu morrer antes de acordar – que leio da autora e continuo intrigado. Tenho li no grupo opiniões diversas mas, como é natural, só posso saber depois de provar, e não fiquei desiludido.

Mantém-se o tom de mistério, em que se desvelam factos aqui para camuflar outros ali, num certo jogo de luz e sombra, em que o cinema está sempre muito presente. Exceptuando aquilo que sabemos através das personagens, quase poderíamos estar a seguir tudo num ecrã. O livro abre justamente com a referência à cena de um filme: La Notti Bianche.

Uma jovem acorda num quarto estranho, mas vagamente familiar, e enquanto permanece mergulhada numa espécie de limbo vai absorvendo aquilo que os que a rodeiam, e que a tratam sempre como alguém que conhecem, que faz parte da casa, da sua “família, como forma de ganhar tempo e de ir recolectando os fragmentos de memória que lhe vão chegando. Assim nunca sabemos se Karen, nome pelo qual a chamam, sofre de alguma forma de amnésia, em virtude de um acidente ocorrido previamente, ou se simplesmente vive um sonho em que a sua vida parece ter-se tornado na vida de outra pessoa.

Enquanto Karen tenta integrar-se mais na pele dessa mulher que parece ter vestido ao acordar numa certa manhã, é peculiar a forma como Emily a trata, por vezes referindo-se a si na segunda pessoa, outras na terceira pessoa, mantendo a ambiguidade da sua identidade: «A Karen gosta de observar a cascata o ano inteiro.» (pág. 56).

Esta é outra das narrativas intrigantes da autora, com o seu universo muito próprio, mas gostei particularmente da forma como a memória de Karen (?) reside essencialmente nas mais pequenas coisas, como um cheiro, o toque, o nervoso de desejar pintar, mesmo que não reconheça de todo as pessoas com quem habita o quotidiano ou se lembre do que é, de facto, a sua vida.

Gradualmente, já não sabemos se ela é ou não Karen, se ela quer ou não perceber qual a sua verdadeira identidade: «Eu sabia isso a seu respeito. Sabia muitas coisas a seu respeito de que ninguém me tinha falado. Não era possível ter o mesmo rosto e o mesmo corpo e não partilhar um pouco a alma.» (pág. 86).

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Sou doutorado em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», defendida em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Postal do Algarve (distribuídos com o Expresso no Algarve e disponíveis online), e tenho publicado vários artigos e capítulos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público de 2003 a 2013 e ministrei formações. De Agosto de 2014 a Setembro de 2017, fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas e uma pós-graduação em Ensino Especial. Vivi entre 2017 e Janeiro de 2020 na cidade da Beira, Moçambique, onde coordenei o Centro Cultural Português, do Camões, dois Centros de Língua Portuguesa, nas Universidades da Beira e de Quelimane. Fui docente na Universidade Pedagógica da Beira, onde leccionava Didáctica do Português a futuros professores. Resido agora em Díli, onde trabalho como Perito de um Projecto de Cooperação e lecciono na UNTL. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam.