Amos Oz, aclamado escritor israelita, faleceu no dia 28 de Dezembro de 2018, aos 79 anos de idade, vítima de cancro.
Oz nasceu em Jerusalém em 1939 e foi criado num kibbutz, uma comunidade em Israel dedicada à agricultura, baseada no trabalho colectivo e na assistência mútua. No livro Entre Amigos, apresentado no Postal do Algarve em Outubro de 2017, o autor revisitava justamente esse espaço onde começou a escrever, fazendo de um kibutz, nos anos 50, a verdadeira personagem principal desse livro.
Caros Fanáticos não é um livro de ficção, como aliás se percebe logo pela indicação na capa do subtítulo: «Fé, fanatismo e convivência no século XXI». Esta obra é uma compilação de três ensaios. Dedicada aos netos do autor, representa, muito oportunamente, uma reflexão dos actuais tempos conturbados, em que vagas de migrantes chegam à Europa, sem que se saiba bem como acolhê-los. O autor aborda temas sensíveis como o perigo do fanatismo fundamentalista ou a procura de uma solução para o conflito entre Israel e Palestina, propondo a existência de dois estados. Temas estes tão antigos como a História mas ainda profundamente actuais, sendo que o primeiro dos três ensaios, que dá nome ao livro, resulta aliás de uma série de conferências proferidas numa universidade na Alemanha, em 2002, em que o autor reflecte com ironia, mordacidade e inclusive um certo humor negro os riscos da intolerância e da cegueira religiosa: «A guerra em questão é uma guerra entre fanáticos convencidos de que os seus objectivos santificam todos os meios e todos os outros, para os quais a vida é um objectivo e não um meio.» (p. 16)
Oz, o escritor israelita mais conhecido e lido no mundo, cumpriu serviço militar na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e na Guerra do Yom Kippur, em 1973, antes de realizar os seus estudos universitários. Foi jornalista, professor universitário de Literatura, activista político e militante a favor da paz entre os estados da Palestina e Israel.
Em Portugal, a sua obra tem sido publicada pela D. Quixote, com títulos como A Caixa Negra, Não Chames à Noite Noite, Uma História de Amor e Trevas e Judas. O livro Uma História de Amor e Trevas é de inspiração autobiográfica e foi adaptado ao cinema, com interpretação de Natalie Portman. Caros Fanáticos foi o mais recente livro do autor a ser publicado pela editora D. Quixote.

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Obtive o grau de doutor em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Jornal Postal do Algarve, e tenho publicados alguns artigos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público cerca de 10 anos, ministrei formação. Fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei entretanto um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas, frequento uma formação online de promoção da leitura e preparo-me para uma de revisão. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam. Resido actualmente na cidade da Beira, Moçambique.