Este pequeno livro é mais uma pérola deste grande autor, prémio Nobel em 1929, cuja obra tenho estado a ler ultimamente (o que me leva a querer reler os que lera entretanto). Seguir-se-ão certamente Os Buddenbrook, o seu primeiro romance cuja escrita iniciou aos 21 anos de idade.

Esta é também uma obra bastante autobiográfica e como que um libelo ou manifesto da sua escrita. Nas próprias palavras do autor, citadas na capa: «a narrativa que é talvez ainda hoje, entre tudo o que escrevi, a mais próxima do meu coração.».

O livro atravessa parcialmente a vida de Tonio Kröger, detendo-se nos episódios que mais contribuíram para a formação da sua personalidade, numa rememoração selectiva. Logo no início encontramos um Tonio adolescente que está, a uma primeira leitura, apaixonado pelo colega Hans Hansen, numa paixão que parece aliás naturalmente justificada pelo facto de este outro jovem ser um modelo de beleza e perfeição: «Era extraordinariamente bonito e bem constituído, largo de ombros e estreito de ancas, com olhos despertos de um azul-aço e de olhar agudo e penetrante.» (pág. 9). Adorado pelos professores, pelos colegas, em suma por todos aqueles que com ele se cruza, Hans é assim amado mas também invejado por Tonio, que é, fisica e intelectualmente, o seu oposto. E é quando o jovem Tonio se detém nas suas razões, justificadas ou não, para esta inveja em relação ao amigo percebemos então que, tal como a homossexualidade aparentemente patente na obra A morte em Veneza, esta questão de “amor ao mesmo” ou “amor grego” ganha outros contornos, em que no fundo Tonio gostaria de ser como o seu amado, pelo seu porte atlético, pela sua facilidade perante a vida, pela sua leveza, enquanto Tonio, além do próprio nome já de si exótico, da própria aparência física (filho de uma mãe sul-americana) se move com mais langor e encara a vida com uma certa melancolia, mergulhado nos seus livros. No segundo capítulo, a paixão de Tonio já não é Hans mas outra deusa de aspecto igualmente louro e trigueiro, a loira Ingeborg Holm, pois, como se declara claramente no final do romance, o seu «mais profundo e mais secreto amor pertence aos loiros de olhos azuis, a esses seres límpidos e vivos, felizes, que são amados, que são normais.» (pág. 118).

A narrativa prossegue, com um pendor mais metafísico, outras vezes quase alegórico, e acompanhamos o percurso de Tonio de jovem amante da literatura a escritor: «Seguiu o caminho que tinha de seguir, um pouco desleixadamente e de forma irregular, assobiando, com a cabeça inclinada para o lado e olhando o longe, e quando errava, tal acontecia porque para muitos não há um único caminho certo.» (pág. 35).

Este é um relato do que significa amar-se a literatura, e viver em torno da literatura, tendo Thomas Mann criado uma personagem que veio a ser amado pela juventude intelectual do século XX, que se revia nesta estranheza e neste sentimento de não-pertença de Tonio em relação ao mundo, que analisa com rigor mas com distanciamento frio, de um ser que parece vogar sem laços humanos. Destaque-se o episódio em que Tonio revisita a sua cidade-natal apenas para encontrar a sua casa transformada numa biblioteca pública e acaba a ser interrogado por um polícia que lhe pede os seus papéis, mas Tonio não tem forma de comprovar a sua identidade a não ser pelas provas do seu próximo livro, onde figura o seu romance.

E se me perguntarem o que faz de uma obra literatura posso referir que são passagens como esta:

«Ao jantar, fora vizinho de Tonio Kröger e com movimentos tímidos e modestos tinha comido espantosas quantidades de omeleta de lavagante.» (pág. 87).

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Sou doutorado em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», defendida em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Postal do Algarve (distribuídos com o Expresso no Algarve e disponíveis online), e tenho publicado vários artigos e capítulos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público de 2003 a 2013 e ministrei formações. De Agosto de 2014 a Setembro de 2017, fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas e uma pós-graduação em Ensino Especial. Vivi entre 2017 e Janeiro de 2020 na cidade da Beira, Moçambique, onde coordenei o Centro Cultural Português, do Camões, dois Centros de Língua Portuguesa, nas Universidades da Beira e de Quelimane. Fui docente na Universidade Pedagógica da Beira, onde leccionava Didáctica do Português a futuros professores. Resido agora em Díli, onde trabalho como Perito de um Projecto de Cooperação e lecciono na UNTL. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam.