Em 1996, estava eu a terminar o 10.º ano e a fazer Filosofia quando me apercebi de que estava quase em época de exames e continuava a não perceber nada da disciplina. Ouvi então falar de O Mundo de Sofia, de Jostein Gaarder, e implorei imediatamente à mãe (as mães são sempre melhores para estas coisas) que me comprasse aquele livro que seria essencial para o estudo (é sempre uma desculpa fabulosa que deixa os pais sem capacidade de dizer que não). Li o livro de uma assentada, perdi-me imediatamente na história, fui tomando notas conforme o autor sintetizava a obra de todos os pensadores da história da filosofia e quando cheguei à prova global – na altura ainda eram provas globais – tirei um 16. Claro que quem não percebeu nada foi a minha professora de Filosofia pois eu nas aulas dela não tirava mais do que um 9 ou um 10… Desde aí tenho seguido a obra deste autor, com quem regresso sempre à juventude, mesmo quando os temas tratados são mais delicados e actuais, como neste seu último livro.

Partilho do site da Editorial Presençaque tem publicado toda a obra deste autor:

Jostein Gaarder nasceu em Oslo em 1952. Formou-se em Filosofia, tendo lecionado durante alguns anos as disciplinas de História das Ideias e História das Religiões no Ensino Secundário. Após o aclamado bestseller O Mundo de Sofia, traduzido em 55 línguas e com mais de 30 milhões de exemplares vendidos, Gaarder dedica-se totalmente à atividade literária escrevendo diversas obras, entre as quais O Mistério do Jogo das Paciências, O Enigma e o Espelho, A Vida É Breve, Maya, O Vendedor de Histórias e A Rapariga das Laranjas.

A Terra de Ana é o seu romance mais recente e trata-se de uma fábula sobre uma rapariga que recebe mensagens do futuro, procurando alertar o leitor para o aquecimento global, nestes tempos de convulsão política em que certos líderes mundais recusam-se a admitir que o aquecimento global é sequer uma questão séria a ser tida em conta (veja-se o fantástico documentário de Leonardo DiCaprio, Before the Flood)

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Sou doutorado em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», defendida em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Postal do Algarve (distribuídos com o Expresso no Algarve e disponíveis online), e tenho publicado vários artigos e capítulos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público de 2003 a 2013 e ministrei formações. De Agosto de 2014 a Setembro de 2017, fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas e uma pós-graduação em Ensino Especial. Vivi entre 2017 e Janeiro de 2020 na cidade da Beira, Moçambique, onde coordenei o Centro Cultural Português, do Camões, dois Centros de Língua Portuguesa, nas Universidades da Beira e de Quelimane. Fui docente na Universidade Pedagógica da Beira, onde leccionava Didáctica do Português a futuros professores. Resido agora em Díli, onde trabalho como Perito de um Projecto de Cooperação e lecciono na UNTL. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam.