Este é o aguardado regresso do aclamado autor de A Rapariga Que Roubava Livros, publicado pela Editorial Presença.
Esta é a história dos cinco irmãos Dunbar: o Matthew, o Rory, o Henry, o Clayton e o Thomas. Cinco irmãos perdidos no mundo e conhecidos nas redondezas por preguejarem que nem uns condenados, lutarem como pugilistas e serem impiedosos uns com os outros em qualquer jogo, menos na vida.
Esta é a história do Assassino que certo dia lhes entra em casa. A história do seu pequeno catálogo de animais de estimação disfuncionais com nomes de heróis gregos e onde se destaca Aquiles, a mula que é teimosa que nem uma mula e persiste em entrar na cozinha.
Matthew, o irmão mais velho, é o que nos conta a história, num vagaroso desfiar de recordações, com alguns saltos, com graduais desvelamentos da verdade, permitindo ao leitor entrever os fragmentos principais que lhe permitirão reconstituir a tragédia que aconteceu aos cinco irmãos. Mas esta é principalmente a história de Clay (abreviatura de Clayton) e de como um dia deixou os irmãos para ir construir uma ponte: «Uma ponte sobre o passado que o levaria a um pai.» (p. 123).
O título original da obra é, aliás, Bridge of Clay, cujo trocadilho se perde com a tradução, e daí, provavelmente, a mudança radical de título pela editora.
Parece, contudo, que Matthew e Clay se confundem um pouco, mais do que os restantes irmãos, como se o irmão mais velho que conta a história do outro se confundisse afinal com ele: «Fisicamente, nós os dois éramos os mais parecidos, embora eu fosse uns bons quinze centímetros mais alto. Tinha o cabelo mais espesso e era mais desenvolvido, mas isso era por ser mais velho. Enquanto eu passava os dias ajoelhado às voltas com alcatifas, soalhos e cimento, o Clay ia à escola e corria quilómetros. Tocava-lhe sobreviver àquele seu regime de flexões e de abdominais; era um miúdo magro, mas rijo – via-se que tinha força. Acho que se pode dizer que éramos duas versões do mesmo, sobretudo os olhos. Um e outro tínhamos fogo no olhar e a cor era irrelevante, porque esse fogo que se via no olhar e a cor era irrelevante, porque esse fogo que se via nos olhos quer de um, quer de outro, era tudo.» (p. 89)
São quase 500 páginas de uma belíssima história de irmandade e sobrevivência, cheia de imagens imperdíveis, como a cadela, a cobra e a Remington desenterradas. A prosa de Markus Zusak, a forma como brinca com as palavras e com a linguagem enquanto constrói a sua própria ponte até ao leitor, é absolutamente arrebatadora e original, a começar pela forma como pensa os próprios títulos (Cidades + Águas + Criminosos + Arcos, em que cada capítulo acrescenta um motivo).

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Obtive o grau de doutor em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Jornal Postal do Algarve, e tenho publicados alguns artigos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público cerca de 10 anos, ministrei formação. Fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei entretanto um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas, frequento uma formação online de promoção da leitura e preparo-me para uma de revisão. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam. Resido actualmente na cidade da Beira, Moçambique.