Esta é a história de uma típica família disfuncional norte-americana, os quatro irmãos Plumb: Melody, Jack, Leo e Bea.

A história começa com um Boom!, quando Leo meio embriagado e alterado pelo consumo de cocaína decide seduzir durante o casamento de uma prima a jovem Matilda, uma empregada de mesa com dezanove anos, a entrar no seu Porsche, com consequências desastrosas, pois quando ela começa a acariciá-lo no entrepernas Leo tem um acidente. Depois deste prólogo cinematográfico percebemos como este acidente de Leo vai colocar em causa a Fortuna que a família tem esperado pacientemente. Melody tem duas filhas gémeas, e precisa de pagar a hipoteca da casa, demasiado cara, além de ter de pensar nos estudos universitários das gémeas; Jack tem uma loja de antiquário que não dá lucro e tenta esconder do marido o facto de que já tem a sua casa de férias hipotecada; Beatrice foi uma escritora outrora talentosa, com alguns contos publicados, que claramente retratavam o irmão Leo; e Leo é o benjamim da família, outrora bem sucedido, mas agora parece levar uma vida tão postiça e pretensiosa como o Porsche que alugou para o casamento da prima, arriscando-se a perder tudo o que tem no divórcio. Estes quatro irmãos esperam (im)pacientemente que a irmã Melody, a mais nova, cumpra os seus 40 anos para poderem finalmente receber aquilo que designam a Fortuna, a herança proveniente de um fundo que o pai criou para eles, para lhes dar algum conforto extra no futuro – Melody tinha então 16 anos. Leonard Plumb Sénior foi um self-made men pois, apesar de descender de uma família com dinheiro e imóveis, quase tudo se perdeu, devido a má gestão, maus negócios e maus casamentos. Quando consegue vingar na vida mediante a sua aposta em produtos químicos de absorção – como os plásticos usados nas fraldas ou nas carnes de aves vendidas em supermercado – e decide criar o fundo para os filhos, nem ele pode adivinhar que daí a uns anos estará morto e que esse fundo continuará a crescer até se tornar uma considerável Fortuna. Até que o acidente de Leo e a indemnização que tem de ser paga à jovem Matilda colocam tudo em risco.

A história é bastante simples, bem escrita, e constitui um page turner que não desilude. O livro vale sobretudo por um retrato de uma América pós-recessão e como tantas famílias vêem as suas vidas em risco, apesar de no caso dos irmãos Plumb aquilo que se passa é sobretudo uma vida que, ao contrário do que o pai desejava, é levada na corda bamba, sempre com os olhos fitos nessa Fortuna, isto é, a contar com o ovo no cu da galinha… Mas A Fortuna é sobretudo a história de como esta família disfuncional – note-se que os tios mal conhecem as gémeas e poucas vezes as viram, e Leo há vinte anos que não passava um feríado com a família – volta a reunir-se, apesar de inicialmente não ser pelos motivos melhores pois o almoço de família que reúne os irmãos depois do acidente é, em suma, com vista a responsabilizar Leo pela delapidação da sua herança e obrigá-lo a compensá-los e, com sorte, convencer a mãe a adiantar-lhes o dinheiro antes do quadragésimo aniversário de Melody. É o acidente e essa necessidade de fazer Leo pagar pelo dinheiro que perderam, mas que nunca tiveram, que os aproxima novamente. Na tradução do livro e do título, publicado em inglês sob o título de The Nest, perde-se aliás a carga alusiva da palavra ninho como a casa, o conforto, o porto de abrigo que é, ou deveria ser, a sua família e o seu lar. Note-se aliás o pensamento de Walker, marido de Jack: «Além de ser infantil, não conseguia perceber como é que um grupo de adultos podia usar aquele termo com aparente convicção sem sequer pensar por alto que era uma complexa metáfora e estava diretamente relacionada com o comportamento disfuncional deles enquanto indíviduos e enquanto grupo. Era mais uma das muitas coisas sobre a família Plumb que ele deixara de tentar perceber.» (pág. 288).

Cynthia D’Aprix Sweeney decidiu aos 50 anos voltar à escola para tirar um curso de escrita e parece que teve sucesso, se considerarmos que este seu romance de estreia foi um êxito e já está a ser adaptado pela própria autora para o formato televisivo, pois a Amazon Films irá lançar o filme, pela mão de Jill Solloway, criadora da fantástica série Transparent (sobre um transexual que na terceira idade decide assumir perante a família a sua verdadeira identidade).

Gostei particularmente da subintriga em torno da estátua roubada dos destroços do World Trade Center que constitui uma réplica do Beijo de Rodin.

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Obtive o grau de doutor em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e tenho publicados alguns artigos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público cerca de 10 anos, ministrei formação e sou actualmente Leitor do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e onde ministro cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei entretanto um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas, frequento uma formação online de promoção da leitura e preparo-me para uma de revisão. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam.