Jules Moreau vive com os pais e com os dois irmãos mais velhos. Mas aos onze anos perde os pais num acidente de automóvel. A essa tragédia segue-se o seu ingresso num internato. E à dor dessa perda sucede-se ainda a quebra dos laços de irmandade. A irmã Liz e o irmão Marty apesar de estarem no mesmo colégio de Jules tornam-se eles mesmos uns estranhos, enquanto Jules passa o final da infância e a adolescência na demanda da sua identidade, agora como órfão. Do pai herda o cabelo negro e a barba forte, bem como o amor pela fotografia. A sua outra paixão, e consolo para a sua solidão, será Alva, uma menina de pele pálida e cabelos ruivos, com quem partilha as suas paixões menores na leitura, na música, ou no silêncio de uma amizade cúmplice que prenuncia já um amor adulto. E é já como adulto que o jovem Jules perceberá que a vida é feita de regressos e reencontros.
Ao longo do livro, entre 1980 e 2014, sensivelmente, assistimos assim ao crescimento de Jules e à sua tentativa de sanar a solidão, até que esta atinge o ponto máximo de uma dor tão avassaladora que pode implicar o corte desejado da própria vida: «Há muito que conheço a morte. Agora, porém, também ela me conhece.» (p. 11)
O livro peca apenas por na parte final se tornar um pouco repetitivo, quase como se o autor e a personagem fossem um só e procurassem exorcizar os seus demónios através da escrita, até porque «Uma infância difícil é como um inimigo invisível (…). Nunca se sabe quando nos vai atingir.» (p. 123)
Afirma o autor que este seu quarto romance é uma «catarse»: «Este foi o livro que eu tive de escrever. Os próximos são os livros que eu quero escrever. Agora sinto-me totalmente livre.»
Benedict Wells nasceu em Munique em 1984 e passou por 3 colégios internos, a partir dos 6 anos de idade. Este romance foi escrito ao longo de 7 anos e é inspirado em factos da sua vida. Publicado pela Asa e vencedor do Prémio de Literatura da União Europeia, o romance encontra-se traduzido para 30 línguas.

print
Paulo Nóbrega Serra
Written by Paulo Nóbrega Serra
Obtive o grau de doutor em Literatura com a tese «O realismo mágico na obra de Lídia Jorge, João de Melo e Hélia Correia», em Junho de 2013. Mestre em Literatura Comparada e Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, autor da obra O Realismo Mágico na Literatura Portuguesa: O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge e O Meu Mundo Não É Deste Reino, de João de Melo, fruto da minha tese de mestrado. Tenho ainda três pequenas biografias publicadas na colecção Chamo-me: Agostinho da Silva, Eugénio de Andrade e D. Dinis. Colaboro com o suplemento Cultura.Sul e com o Jornal Postal do Algarve, e tenho publicados alguns artigos na área dos estudos literários. Trabalhei como professor do ensino público cerca de 10 anos, ministrei formação. Fui Docente do Instituto Camões em Gaborone na Universidade do Botsuana e na SADC, sendo o responsável pelo Departamento de Português da Universidade e ministrei cursos livres de língua portuguesa a adultos. Realizei entretanto um Mestrado em Didáctica do Português e das Línguas Clássicas, frequento uma formação online de promoção da leitura e preparo-me para uma de revisão. Ler é a minha vida e espero continuar a espalhar as chamas desta paixão entre os leitores amigos que por aqui passam. Resido actualmente na cidade da Beira, Moçambique.